• André Almeida

A influência do estigma na busca por tratamento


Estigmas sociais frequentemente levam à marginalização.

Estigma social é uma forte desaprovação de características ou crenças pessoais, que vão contra normas culturais.


Para a Sociologia, num sentido contemporâneo, o estigma também pode ser conceituado como uma marca objetiva que recebe uma valoração social negativa. O assunto não é muito discutido no âmbito familiar e profissional por medos dos julgamentos a quais essas pessoas podem sofrer. Temos uma doença crônica e não uma deficiência moral! O artigo escrito pela Nora D. Volkow, M.D. com o título Stigma and the Toll of Addiction, e publicado no The New England Journal of Medicine, toca em um ponto fundamental sobre o estigma que o paciente dependente químico sofre na área da saúde.


“O estigma não é o único fator que impede o tratamento adequado de pessoas com transtornos por uso de substâncias, mas, se quisermos alcançar a meta de saúde pública de obter e reter muito mais pessoas com transtornos por uso de substâncias em tratamento, precisamos garantir que o sistema de saúde não penaliza as pessoas viciadas em drogas por sua condição.”

As pessoas que trabalham na área da saúde devem estar cientes de que estigmatizar as pessoas viciadas em opióides ou outras drogas causa dor social que não apenas impede a prática da medicina, mas também fortalece ainda mais o distúrbio.


Link para a matéria completa em inglês: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMp1917360?query=recirc_curatedRelated_article


0 visualização